17 de mar de 2015

Proteína da soja impede multiplicação do HIV

Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em parceria com o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos e com a Universidade de Londres, conseguiram identificar uma proteína extraída da soja transgênica que pode revolucionar os estudos mundiais na prevenção do contágio a partir do vírus da Aids. A cianovirina, extraída e purificada, é uma proteína presente em algas que é capaz de impedir a multiplicação do vírus HIV no corpo humano.

Os resultados positivos desse experimento com a soja são conhecidos desde 2008. Porém, só agora os pesquisadores dispõem de tecnologia avançada para comprovar isso. “Em 2008 nós não tínhamos tecnologia suficiente para purificar o extrato da soja”, explica o pesquisador Elíbio Rech, coordenador dos estudos na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

A pesquisa foi publicada pela revista científica Science e comprova que as sementes de soja geneticamente modificadas constituem, até o momento, a biofábrica mais eficiente e uma opção viável para a produção em larga escala da proteína.

Elíbio Reich explica que as sementes de soja não são cultivadas no campo, e sim em uma estufa. Além da oleaginosa, outras culturas foram testadas para a produção da cianovirina, como por exemplo, o tabaco. Mas a soja foi a que apresentou os melhores resultados.

“Com a soja é possível produzir a proteína em larga escala e com um custo mais reduzido”, diz Elíbio.

O objetivo final dessa pesquisa é desenvolver um gel que deverá ser usado pelas mulheres antes da relação sexual. Na África, o percentual de mulheres que adquiriram o vírus HIV chega a 50%.

De acordo com Elíbio, ainda não há previsão para que o produto chegue ao mercado. “É necessário uma grande quantidade de investimento por parte das empresas especializadas para que o produto chegue à população”, avalia.

O pesquisador ressalta que o gel não é uma vacina contra a Aids e nem um substituto ao preservativo, mas um coadjuvante importante no sistema.

“O nosso foco é principalmente a África, onde grande parte das mulheres são contaminadas com HIV pelos parceiros. Na cultura de muitos países o uso do preservativo não é respeitado. Com esse produto a mulher não precisa da opção do homem em querer usar ou não, ela mesmo pode se prevenir”, disse o pesquisador.

Segundo a Embrapa, se a soja transgênica for plantada em uma estufa menor do que um campo de beisebol (97,54 metros) é possível fornecer cianovirina suficiente para proteger uma mulher por 90 anos.

Os biofármacos, ou medicamentos biológicos, são obtidos por fontes ou processos biológicos, a partir do emprego industrial de microrganismos ou células modificadas geneticamente.

A técnica consiste em inserir genes de interesse em genomas de plantas que possam assimilar suas propriedades e, a partir daí, produzir proteínas modificadas em larga escala, idênticas às originais.

DOL

About