5 de jan de 2015

Assessor de Cilene Couto tinha placa adulterada

Assessor de Cilene Couto tinha placa adulterada (Foto: Daniel Costa) 
 
O assessor parlamentar da deputada estadual Cilene Couto (PSDB), Luís Antônio da Costa Pinheiro, foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no final da tarde de ontem, quando voltava de Salinas. 

Segundo a PRF, ao fazer a fiscalização da volta do feriado de Ano-Novo, no quilômetro 14 da rodovia BR-316, no município de Marituba, flagrou Luís Antônio dirigindo no acostamento da pista e, ao ser parado pelos agentes federais, foi flagrado com a placa do carro adulterada. 

O veículo Ecosporte vermelho, de placa original com final 5676, estava com a placa traseira com o número 5678 e a placa dianteira com o número 5876. A adulteração foi feita com uma fita adesiva preta. Dentro do veículo foram encontradas fitas e tesoura que teriam sido usadas para fazer a adulteração. 

Ao ser abordado pela PRF, Luís Antônio se identificou como assessor de Cilene Couto e ex-funcionário do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran-PA). O infrator recebeu voz de prisão em flagrante e foi conduzido pelos agentes rodoviários David Breno, Sabá e H. Queiroz para a delegacia de Marituba para proceder a autuação.

DETRAN

Na delegacia Luís Antônio afirmou que trabalhou como contratado no Detran, mas que se afastou do órgão há três meses. Disse, ainda, que foi contratado para trabalhar no gabinete da deputada Cilene Couto há pouco mais de um mês, onde desenvolve a função de assessor comunitário. 

Luís Antônio disse que nunca havia percebido a adulteração na placa do veículo que, segundo ele, foi comprado de um primo há um ano e cinco meses. “Fiquei surpreso de ver a placa modificada e não sei quem possa ter cometido essa adulteração”, disse Luís Antônio. 

Além de assessor parlamentar, ele declarou que trabalha com venda e compra de carros no Mangueirão, aos finais de semana. Sobre a existência de fita e da tesoura no interior do veículo, ele afirmou que o material é utilizado no manuseio de som e placas dos veículos que comercializa. 

Luís Antônio foi enquadrado pelo crime de adulteração de sinal em veículo automotor previsto no Artigo 311 do Código Penal. O crime é inafiançável e pode resultar em pena de três a seis anos de prisão. Na delegacia, Luís fez diversas ligações na tentativa de falar com os advogados e com a deputada Cilene Couto. 

(Diário do Pará)

About