9 de nov de 2013

História de vendedor de bombons comove internautas

História de vendedor de bombons comove internautas (Foto: Reprodução/Facebook)Após a campanha realizada na rede social Facebook há duas semanas, o estudante de medicina da Universidade do Estado do Pará (Uepa) Jessé Soares, continua recebendo ligações e solidariedade das pessoas que leram sua mensagem na internet.


O texto feito pelo estudante e compartilhado por centenas de pessoas, teve uma repercussão que nem ele mesmo imaginava. Em um momento de angústia, Jessé que mora atualmente em Barcarena com sua esposa e duas filhas, pediu a ajuda de amigos e comunidades no Facebook, para realizar seu maior sonho: continuar estudando Medicina.
"Não estou pedindo muito, apenas que leia e divulgue, compartilhe e se você puder doar R$1,00 estará fazendo muito por mim e se um amigo seu também puder doar R$1,00 e outro mais R$1,00 eu espero ter dinheiro pra continuar estudando", disse em um dos trechos dos vários parágrafos escritos.
Desde 2007 quando veio morar em Belém, Jessé passou a se dedicar aos estudos, fez cursinho e foi aprovado no curso de Medicina pela Uepa. Desde então, sua maior batalha é concluir a faculdade. "Sem recursos pra me manter na Universidade, decidi vender bombons de chocolate em coletivos no município de Belém, não é nada fácil", relatou.
Após a postagem, Jessé recebeu dinheiro e até doação de cestas básicas. Recebeu inclusive, a ajuda de um professor do curso de Medicina da UEPA, que se ofereceu para pagar o curso de preparação para residência médica. 
"Meu dia começa cedo, as 5h da manhã pego o barco para Belém e sigo para a universidade. Quando vendia os bombons, deixava eles durante a manhã com a atendente da biblioteca da Uepa, que também me ajudava a vender, oferecendo aos estudantes que entravam no local. Por volta das 16h, quando acabava minhas aulas eu pegava as minhas caixas de bombons e ia para as paradas de ônibus, onde esperava pelos coletivos que me deixavam vender", conta.
A jornada de trabalho terminava às 19h, quando Jessé retornava para o porto no bairro da Cidade Velha. "Chegava no porto pouco depois das 19h e tinha que ficar esperando o último barco que só chegava às 23h. Nesse tempo de espera, eu aproveitava para estudar", completa.
A última vez que Jessé vendeu os bombons, foi na quinta-feira (7). "Estava na rua tentando vender alguns bombons, quando um professor me ligou e perguntou o que eu estava fazendo. Ele disse que compraria todos os meus bombons do dia, mas era para eu me dedicar aos estudos durante o dia", disse.
O sonho do estudante de medicina e ex-vendedor de bombom, agora é terminar seu curso e se dedicar a residência, que pretende fazer em São Paulo. "Quero me profissionalizar em Oncologia e fazer residência no estado de São Paulo e poder levar toda minha família pra lá", enfatiza.
"Aproveito para agradecer ainda mais as pessoas que acreditaram na minha história e puderam me ajudar de alguma forma. Recebi uma ajuda muito boa e só tenho a agradecer. Espero daqui pra frente poder me dedicar ainda mais para os estudos e não decepcionar ninguém", finalizou.

(Adriana Pereira/Dol)

About