31 de out de 2013

São Miguel do Guamá - 140 anos


HISTÓRICO
                 Em 1758, o bispo Dom Miguel de Bulhões, ao passar pela fazenda de Agostinho Domingos de Siqueira em viagem, a seu pedido, instituiu uma Freguesia, e, sob o cargo de São Miguel, construiu uma igreja em área de 60 braças de terras. A partir desse ponto que nasceu São Miguel do Guamá. Vila criada por leis provinciais nº 663, de 31 de outubro de 1870 e nº 707, de 5 de abril de 1872. Instalada em 0 de janeiro de 1873. Tornou-se cidade por Decreto Lei Estadual nº 344, de 30 de maio de 1891.  Em 1943, o nome da cidade foi alterado, passando, de São Miguel do Guamá, para Guamá. Posteriormente voltou à antiga denominação, São Miguel do Guamá.


SIGNIFICADO DO NOME DA CIDADE
              Em homenagem ao Bispo D. Miguel de Bulhões, a São Miguel Arcanjo, e referência geográfica ao Rio Guamá. 


 CARACTERÍSTICAS
             São Miguel do Guamá é um município brasileiro do estado do Pará. Localiza-se a uma latitude 01º3736 sul e a uma longitude 47º2900 oeste, estando a uma altitude de 10 metros. Sua população estimada em 2004 era de 45 832 habitantes. Possui uma área de 1094,839 km². E tem como principais localidades as comunidades de Urucuriteua, Acarí e Apuí. Acreditamos que a população do município esteja em torno de 60.000, o aumento se deu por conta do grande número de pessoas que emigram em busca de emprego na industria cerâmica considerada o maior pólo do norte nordeste instalada no município. Para constatar esse aumento já foi solicitada uma nova conferência.

EVENTOS

            As principais festividades são em homenagem a São Miguel Arcanjo, e o Círio de Nossa Senhora de Nazaré. O Círio é realizado a mais de meio século, a grande procissão sempre ocorre no último domingo de novembro. Na manhã do domingo, depois de celebrada a missa, tem início a romaria pelas ruas da cidade. 

30 de out de 2013

Caos no Banco do Brasil em São Miguel do Guamá

 


 

          Falta de dinheiro em caixa, filas enormes, clientes sem orientação, entulhos na entrada do prédio, sujeira pra todo lado. Assim é a realidade da agência do Banco do Brasil em São Miguel do Guamá, nordeste paraense. As fotos foram enviadas por um cliente que cansou de tanto esperar por melhorias e já não aguenta tanta humilhação. 

               Ouvidoria do BB  0800 729 5678 

Vamos fazer uma mobilização em massa para que o povo de São Miguel do Guamá seja respeitado. Liguem para Ouvidoria e façam reclamações. 


Obras no Baenão revelam dinheiro escondido

Obras no Baenão revelam dinheiro escondido (Foto: Mário Quadros/Diário do Pará)
Foto: Mario Quadros
Em 1989, o Clube do Remo, que vivia uma década de pouco destaque, ofuscado pelos rivais Paysandu e Tuna, começaria a dar a volta por cima com um time que ficaria conhecido como “Esquadrão Cabano”, por ser basicamente um time de atletas regionais. Mas por que relembrar esse distante momento agora? Porque durante as obras no Baenão foram encontrados, nessa terça-feira, cédulas e moedas de Cruzados Novos, dinheiro corrente entre 89 e 90 e que algum torcedor azulino esqueceu no estádio, ficando enterrados desde então. Um pequeno pedaço de 89 que nos remete a um tempo em que o Leão Azul, e o próprio Brasil, lançavam bases para se reestruturar.
O time montado pelo presidente Ubirajara Salgado e Ronaldo Passarinho com valores regionais conquistaria um tricampeonato, entre 1989 e 1991, e foi a base que chegaria às semifinais da Copa do Brasil de 91 e conseguiria o acesso à Série A em 92. O torcedor que foi ao Baenão ver aquele time jogar possivelmente pode ver em campo Wagner Xuxa, Paulo Verdan, Chico Monte Alegre e Bebeto.
Se esse torcedor foi em uma das primeiras partidas do Parazão 89, pode ter visto algumas das poucas partidas do craque Luizinho das Arábias com a camisa azulina, ou se foi na vitória por 2x0 sobre o Pinheirense, talvez tenha visto a homenagem que o clube fez, na entrada em campo, ao atleta que falecera poucos dias antes, de problemas cardíacos. Atletas do time perfilaram no gramado do Baenão e ao ouvir o nome do antigo colega pelos auto-falantes o aplaudiram, junto com a torcida.
Acima de tudo, o torcedor que perdeu seus cruzados no Baenão, certamente depositou uma dose de esperança no reerguimento do seu clube após alguns anos de endividamento e resultados ruins em campo. Assim faz hoje o torcedor que hoje vai aos amistosos do time comandado por Charles Guerreiro, ou que acompanhou o sub-20, comandando por Waltinho, na Copa do Brasil. A esperança de ver um time, com a cara do seu torcedor e que volte a arrebatar títulos e colocar o clube na disputa de competições é um sonho que 24 anos depois ainda é atual.

Remontando um Leão Cabano?

A promessa de um time forte e regional se repetiu várias vezes, de 91 pra cá nos arraiais azulinos, mas, com raras exceções, o clube acabava decaindo na estratégia das importações em massa com resultados pífios ao final. Segundo os novos dirigentes do futebol azulino, as coisas vão ser diferentes na próxima temporada. “Vamos montar o melhor time do Remo nos últimos 10 anos, pelo menos no papel”, promete o diretor de futebol Thiago Passos. “Para o próximo ano a meta é aproveitar esses atletas de destaque das categorias de base e os valores regionais que o Charles Guerreiro vem indicando. Faremos apenas oito contratações pontuais de atletas que vem ‘para resolver’, sendo uma delas um craque diferenciado para arrastar o torcedor pro campo”, afirma o dirigente azulino.

O Brasil – 89 e hoje

Em 1989, o Brasil ainda se reacostumava com a democracia, após 20 anos de ditadura militar. Elegia de forma direta seu primeiro presidente naquele ano – Fernando Collor de Mello, cujo governo seria interrompido por um impeachment em meio a diversos casos de corrupção. As privatizações de empresas estatais, que retornam ao debate público hoje em dia, começaram no seu governo. O primeiro documento da fundação do Mercosul, onde hoje o Brasil é líder, foi assinado no seu governo e a integração econômica na América do Sul ainda dava passos modestos, em comparação ao seu tamanho atual.

(Diário do Pará)

29 de out de 2013

PROGRAMA CREDCIDADÃO ENTREGA CREDITO EM SÃO MIGUEL DO GUAMÁ

Mototaxistas recebendo as motocicletas

Da Esq. Carlos Vaz (Vice-Prefeito), Cacau (Prefeito) e Elza Queiroz(Coordenadora Operacional-CREDCIDAADÃO)





Sec. M. Finanças José Carvalho e beneficiaria do CREDITO

Se. M. Administração Fabio Silva e Aracy




Mototaxista recebendo das mãos da Alana (Coord. M. CREDCIDADÂO) a documentação da motocicleta






Alana Ferreira(CREDCIDADÃO), Fabio Silva (Sec. M. de Administração) e Elza Queiroz (CREDCIDADÃO)

       Na noite de ontem (28) a Prefeitura Municipal de São Miguel do Guamá realizou a Cerimonia de Entrega de Créditos do Programa CREDCIDADÃO do Governo do Estado. O CREDCIDADÃO já funciona a mais de 3 no município, contemplando aqueles cidadãos que buscam créditos facilitados com baixa taxa de juros. O Prefeito Cacau lembrou da importância do Programa CREDCIDÃO, pois muitas pessoas deixam de iniciar seu próprio negocio por falta de capital para investimento e ressaltou ainda que a Prefeitura sempre dará total apoio ao Programa. No total 33 pessoas receberam os créditos, sendo 8 delas, moto-taxistas que já saíram com suas motos 0 km do evento.

Como obter o crédito?

É necessário ser maior de 18 anos, residir há pelo menos 2 (dois) anos no Estado do Pará ; estar livre de restrições junto ao SPC, SERASA, Receita Federal, possuir avalista com renda comprovada para os que vão solicitar o crédito de forma individual e para os que vão solicitar em grupo, estes devem fazer parte de organização social legalizada.
JUROS:
  • 0,5% AO MÊS: Iniciantes, integrantes de programas sociais, maiores de 65 anos e portadores de necessidades especiais;
  • 1% AO MÊS: Empreendedores com mais de 06 meses na atividade.
PRAZO:
Até 18 meses para pagamento, podendo ter até 12 meses de carência.

O que financia

  • CAPITAL DE GIRO: Para aquisição de mercadorias, matérias-primas, insumos e serviços.
  • CAPITAL FIXO: Destinado à aquisição de ferramentas, máquinas, equipamentos; recuperação e/ou conserto de máquinas e veículos utilitários e ainda, pequenas reformas no empreendimento.
  • CAPITAL MISTO: Para solicitações de giro e fixo simultaneamente.

Documentos necessários

  • PESSOA FÍSICA: RG, CPF, Comprovante de residência (atualizado), Comprovante do endereço do empreendimento (atualizado) - originais e cópias para o titular e cônjuge.
  • PESSOA JURIDICA (EMPRESA): Contrato social, CNPJ, RG, CPF e Comprovante de residência (de cada sócio) - originais e cópias para o titular e cônjuge.
  • AVALISTA: RG, CPF, Comprovante de residência (atualizado), comprovante de renda (Carteira de trabalho e contra-cheque ou declaração de imposto de renda ou decore por contador registrado em conselho) - originais e cópias para o titular e cônjuge.

28 de out de 2013

4° Festival de Bandas Fanfarra de São Miguel do Guamá









 





























































O publico foi a delírio na noite de hoje (28) com as apresentação das Bandas Fanfarra de São Miguel do Guamá. Destaque para as bandas das escolas Padre Leandro Pinheiro e Frei Miguel de Bulhões e São José Operário que deram um verdadeiro show na avenida. 

O que é Banda Fanfarra?

As fanfarras (do francês fanfare) se dividem em dois grupos de acordo com sua composição:

  1. fanfarra com um pisto, uma válvula nas cornetas para aumentar as possibilidades sonoras do grupo;
  2. fanfarra simples é mais limitada que a anterior, possui mais instrumentos de percussão e alguns de sopro (cornetas e cornetões lisos). Executa marchas e dobrados e é composta basicamente por 50 integrantes. Os grupos mais elaborados acrescentam tubas e bombardinos em sua formação para obter uma melhor marcação nos tempos executados.

A extensão das notas nos instrumentos das fanfarras é mais limitada que o das bandas marciais, que utilizam quase todos os instrumentos de sopro e de percussão e dessa forma executam qualquer tipo de música. Dessa forma, a melodia das fanfarras torna-se mais limitada e algumas vezes alterada em comparação a das Bandas Marciais.Porém, mesmo com características bem definidas, as duas formações musicais se superam com arranjos e melodias cada vez mais modernos, diferente das antigas bandas que se limitavam à execução de hinos e marchas cívicas.

a esponjosa instrumentos das fanfarras com um pisto possuem um gatilho, que nada mais é do que uma volta de afinação maleável que funciona como uma válvula adicional aumentando a extensão das notas em um mesmo instrumento. Sua função é como a da segunda posição dos instrumentos de bandas marciais. Na ópera, o termo "fanfarra" se refere a um trecho executado em cena por instrumentos de metal.

Recorte: Wikilpédia
Fotos: Isomar Soares

About