31 de jul de 2009

Por um outro Brasil


Poucas vezes li uma síntese tão precisa sobre o atual estado de coisas. O geógrafo Milton Santos acerta em cheio quando coloca no centro da discussão a tirania da informação, termo que inclusive dá o título de um excelente livro de Ignácio Ramonet, diretor do Le Monde Diplomatique. É no campo da subjetividade que o sistema capitalista se impõe e se enraíza. E a mídia é, hoje, a instituição com maior capacidade de produzir subjetividades, ou seja, de definir maneiras de agir, sentir, perceber e viver.Sobre o estímulo constante à competitividade vale a pena consultar o escritor chileno Humberto Maturana e sua obra-prima "Emoções e linguagem na educação e na política" (Editora UFMG), onde mostra que um sistema cooperativo é infinitamente mais importante para a construção de uma sociedade harmônica do que um sistema competitivo, louvado dia e noite pelos ideólogos do capitalismo (um bom exemplo pode ser visto nas reportagens do tipo "hoje em dia não temos tempo para mais nada" ou "a correria do dia-a-dia não deixa tempo para nada, nem para ter filhos". Dizem isso sem revelar que, no fundo, o que se deu foi um aprofundamento da exploração capitalista, esse sim o motivo da falta de tempo, que não é falta de tempo, e sim a desvalorização do tempo de trabalho de cada um de nós).Como resultado, temos espíritos confusos – ou alienados – submetidos a uma violência contínua e distribuída sob diversas formas, desde o assédio moral no trabalho até o caveirão na favela, passando pela brutalidade de grupos de extermínio e pelo extravio dos recursos naturais via empresas multinacionais, que no Brasil batem recordes atrás de recordes.Como conseqüência, temos a destruição da política voltada para a maior parte do povo. Em seu lugar afirma-se o Estado voltado para garantir o lucro das empresas privadas a qualquer custo, e isso inclui o despejo violento de gente que se encontra em área de especulação imobiliária, preços abusivos de remédios (pouco importando se pessoas morrerão sem dinheiro para comprar a medicação) e a liberação de alimentos sabidamente cancerígenos sem qualquer aviso (como foi o caso dos cigarros durante anos) ou de alimentos ainda sem estudos definitivos, como o milho transgênico recém-liberado no Brasil.Nesse sentido, aponta Milton Santos, o papel do intelectual é fundamental. No mundo de hoje, é o pensador livre quem poderá combater os ideólogos da morte. São os intelectuais orgânicos que poderão construir novos paradigmas e oferecer novas propostas, novos conhecimentos. Por isso o sistema capitalista esconde, demoniza ou captura todos aqueles que ousam enfrentá-lo. E o geógrafo deixa claro que as mudanças de que o país precisa virão de baixo.Um intelectual, para Milton Santos, não precisa estar encastelado em sua Torre de Marfim, distante do povo. Ele pode estar na favela da Maré construindo uma casa flutuante com material reciclável, pode estar numa borracharia da Av. Brasil inventando peças que prolongam a vida útil dos carros em até dez anos, modelos que nem os engenheiros que criaram os veículos são capazes de compreender. Esses intelectuais podem também ser cantores e compositores de hip-hop e funk (no Rio muitos já foram cooptados pelo sistema), militantes de movimentos sociais e mesmo jornalistas alternativos, entre muitos outros.Ao fim e ao cabo, Milton Santos afirma que uma outra globalização passará pela mutação filosófica da espécie humana. Ou seja, uma mudança radical de mentalidade, que depende de um processo elevado de conscientização. Novamente, estamos diante de um embate com as corporações de mídia, pois como afirmou a psicanalista Maria Rita Kehl, em depoimento ao documentário Muito Além do Cidadão Kane: “A Globo conseguiu, melhor do que qualquer política repressiva, de proibição, de censura, alterar a consciência do brasileiro sobre sua condição”. Essa deve ser a luta de quem quer fazer do Brasil um país mais humano e fraterno.

Marcelo Salles é jornalista e editor do Fazendo Media: a média que a mídia faz.

Daniel Dantas, Sarney e Lula. Nada a ver?

A Operação Satiagraha já havia detectado. O delegado Protógenes já havia tornado público. Agora é o próprio jornalão do Rio, em bem fundada matéria de Liana Melo, quem confirma aos brasileiros que não adianta apenas se precaver contra o que antes se localizava nas falcatruas financeiras. Agora, temos um instrumento de atividade predatória muito mais perigoso, nas mãos do banqueiro Daniel Dantas e sua troupe - a apropriação, por meio da Global Mine Exploration (GME) de nada mais, nada menos do que 2,1 milhões de hectares do subsolo brasileiro, ao longo de 14 Estados da Federação.
Ou seja, a despeito de tudo o que já justificou aceitação de denúncia contra o referido "elemento" (não é assim que a "puliça" se refere aos pés-de-chinelo que metem no xilindró, às vezes sem culpa formada?), ele encontra espaços para se locupletar com as concessões que lhe são doadas e que propiciam a formação de um outro tipo de banco, no qual o capital estrangeiro vai encontrar a brecha para se apropriar do nosso ferro, do nosso manganês, do nosso ouro, do nosso, enfim, metal precioso ou estratégico, cujo alvará de exploração o banqueiro conseguiu obter no espaço entre as prisões pelos crimes financeiros que lhe são imputados.
Não pode, portanto, calar a pergunta: por que meios, esse sempre suspeito de estar cometendo alguma ação atentatória ao bem comum obtém tais privilegiadas concessões? Sim, porque para explorar o subsolo, a Constituição impõe a obtenção de licença do poder público, já que o proprietário do solo não é dono do que existe nas suas profundezas. E o referido "elemento" já tem em mãos, segundo a reportagem, 1381 autorizações do Departamento Nacional de Produção Mineral, órgão operativo do Ministério de Minas e Energia, sob direção de um dos mais próximos acólitos de Sarney, o pianista Edson Lobão.
Minha tristeza é dupla. A primeira, como cidadão. A segunda, por ver minha lembrança de juventude tisnada pelo episódio em pauta. 1381 era o número-identidade pelo qual respondia chamadas quando aluno do Colégio Militar. Mas, vida que segue, volto ao grão para colocar questões concretas.
Daniel Dantas pode estar amealhando tal poderio sobre nossas riquezas minerais sem que outras autoridades, além do trêfego e desqualificado Edson Lobão, tenham conhecimento? Uma operação de tal grandeza pode estar sendo concretizada à revelia das informações certamente arquivadas na Abin e encaminhadas ao Planalto, sem que isso inspire nenhuma preocupação à Presidência da República? Melhor dizendo, sem que isso inspire qualquer preocupação a Luiz Inácio Lula da Silva?
Se não estiver causando nenhuma preocupação, ninguém poderá impedir a óbvia conclusão: há algo mais do que aviões de carreira nos céus que propiciam tão sólida aliança entre Sarney e Lula. Os nomes e instâncias governamentais envolvidos nesses ramos de negócios do banqueiro Daniel Dantas comprovam que, a despeito do que se passa no âmbito da política parlamentar, alguma coisa de comum, e sólida, existe na relação entre os Presidentes da República e do Senado, sem o que não se explicaria tantas benesses ao suspeito indiciado, denunciado e já condenado banqueiro Daniel Dantas. Há, entre os três, algo em comum, soterrado por milhões de toneladas de solo brasileiro. Vale a pena a atenção de perto sobre o desdobramento das ações do predador.

Milton Temer é jornalista e presidente da Fundação Lauro Campos

Motoxista e Motoboy agora é profissão

Lula assina a lei que regulamenta a profissão das categorias, Mototaxistas e Motoboys, aprovada com algumas exigencias como; Idade d 21 anos para o condutor, uso de faixas luminosas nos coletes e sinalização regular da moto, são algumas das exigencias solicitadas no projeto de LEI. Mais de 100 mil empregos diretos foram criados pela nova lei e a sociedade so tem a ganhar com essa aprovação. PARABENS AMOTAG/SÃO MIGUEL.

29 de jul de 2009

Carta a Juventude Guamaense.


São Miguel do Guamá, vive um momento de furia social e rebeldia popular, os jovens devm exercer um papel fundamental nesse momento o da conciencia de ser o futuro, de ser a pedra da vez. Assim como varios movimentos estudantins e agremiações mudaram a historia dste pais, nosso municipio esta prcisando de uma injeção d força juvenil. Devemos aparecer mais, falar mais, tomar de conta da nossa responsabilidade, não apenas estudar e esperar o amanha.
O social é você quem faz, a luta é um fruto da irresponsabilidade dos grupos que passaram e deixaram rastros de incompetencia e desrespeito para com os jovens. Temos que unir forças, lutar contra a impunidade que vem transformando nossa cidade no vale da escuridão da corrupção. Só nos jovens podemos mais, podemos transformar, podemos mudar o que quisermos menos a falha de tentar.
No pauco da vida, o ator não pode perder a fala, muito menos os gestos, vamos dar as mãos e se abraçar por uma causa unica a soberania do povo guamaense, vamos enaltecer a historia do nosso povo, não politicos irresponsaveis, vamos ressaltar nossos professores que contribuirão com nossas formações e nos trouxeram a esperança na educação. Deixemos de lado os demagogos e anbiciosos por corrupção, deixemos de lado os larapios das manções e os riquinhos dos carrões e vamos lutar pelos que precisam, nós mesmos.
Vamos dar o passo principal, o passo da postura reta da juventude guamaense, vamos em um so coletivo para o destino do futuro promissor de um Guamá Melhor!!!!
Harlem Fherreira
Secretario PSOL/São Miguel

27 de jul de 2009


Aqui vocês podem presenciar o prefeito de curuça Fernando Cruz, Geraldo, ANA JULIA e o PM que no ato representa a Sociedade recebendo a viatura. Pelo menos o prefeito de Curuça lembrou em ressaltar um representante da PM para receber a viatura. O correto e de extremo valor ao setor MILITAR. Agora pergunto a vocês, quando eles vão jogar a proxima? Vem mais coisas por ai e o blog da galera vai esta de olho...

A verdade nua e crua...na integra

Da Redação
Agência Pará


"Durante o Circuito Cultural Paraense em Curuçá, a governadora Ana Júlia Carepa entregou 15 viaturas da Polícia Militar aos municípios da região do Rio Guamá. Além de Curuçá, foram beneficiados os municípios de Terra Alta, São Miguel do Guamá, Marapanim, Magalhães Barata, Santarém Novo, Santo Antônio do Tauá, São Francisco do Pará, Santa Luzia do Pará, São Caetano de Odivelas, Aurora do Pará, Concórdia do Pará, Igarapé-Açu, Peixe-Boi e ainda São João da Ponta."

A governadora também anunciou à população do município que o governo do estado está negociando recursos junto ao governo federal para as obras de melhoria no sistema de abastecimento de água e que iniciará em agosto a reforma da Escola Estadual Gonçalo Ferreira, com o apoio da Prefeitura Municipal de Curuçá, que disponibilizará um espaço temporário para abrigar os alunos enquanto a obra estiver sendo realizada.
"É uma escola que tem cerca de 80 anos e, como me informou o prefeito, há mais de 30 anos não passa por uma reforma. Vamos fazer um convênio com a prefeitura para iniciar logo a reforma do telhado", disse a governadora, que também anunciou para este segundo semestre de 2009 a entrega de kits escolares aos estudantes de Curuçá e a realização de vestibular para cursos da Universidade do Estado do Pará (Uepa) no município.
A governadora adiantou ainda que em breve entregará à população a nova Unidade de Saúde de Caratateua, uma das comunidades de Curuçá. "Estamos concluindo esta unidade que fará com que o atendimento à saúde esteja mais próximo da população de Caratateua, mas além disso continuamos apoiando os municípios na Atenção Básica, depositando recursos diretamente na conta da prefeitura, porque é importante construir hospital, mas também investir em ações preventivas para que as pessoas não adoeçam."
O prefeito de Curuçá, Fernando Cruz, agradeceu o empenho da governadora no combate à violência e a parceria com o governo do estado em outras áreas, como saúde e educação, com investimentos diretos e repasse de recursos ao município. "Priorizei, inclusive, sanear as dívidas do município, como o CALC e o INSS, que hoje estão zerados, e assim podemos receber recursos do governo federal e governo estadual".Ainda estiveram presentes na programação os secretários de Segurança Pública, Geraldo Araújo, e de Comunicação, Paulo Roberto Ferreira, e o deputado federal Paulo Rocha.

Aline Monteiro - Gabinete da Governadora

A mentira "conto de fadas"



É mais uma vez a cobra tentou engolir o rato galera. A foto em anexo mostra a politicagem que nossos politicos usam para fazer um conto de fadas. No ultimo sabado nosso prefeito NENE LOPES recbeu das mãos da Governadora ANA JULIA a chave de uma viatura entregue a POLICIA MILITAR, pena que nossos policiais não foram chamados para o ato. Portanto a foto só representa um ato simbolico que algumas pessoas usam para engrandecer a POLITICAGEM LOCAL.

25 de jul de 2009

UMA VIATURA PARA COBRIR A FALTA DE OUTRAS COISAS.

Eita gestão sem futuro, depois de receber um viatura, que é uma obrigação do estado, agora tem gente dizendo por ai, que foi tal que trouxe a tal, onde eles vão parar com tanta demagogia. Quero ver qu vereador vai falar que trouxe também essa viatura. Acho que vou buscar outra também,,,,rsrsrsrs

About